2kwj1.jpg

Segue a quarta parte desta rubrica de revisão do ano de 2013. Sirvam-se à vontade com algumas das melhores séries do ano, sem ordem de preferência.

31 .Community T4

A primeira temporada sem Dan Harmon mostrou-se algo fraca, mas não foi de todo uma má temporada. As ideias feitas ao longo da série já tinham raízes e foi uma questão de ir resgatando e moldando. Claro que se sentiu a falta do autor mas episódios ao género muppets ou a timeline alternativa foram bem conseguidos e que mostram a variedade infinita de possibilidades da série.  É daquelas comédias que nunca me irei fartar de rever mesmo que digam que esta foi a temporada para esquecer.

32. Orange is the new Black T1

A última grande novidade do Netflix chegou com o verão. Da autoria de Jenji Kohan, a mesma de Weeds, a série mostra-nos uma versão leve e quase cómica do interior de uma prisão feminina. O grande ganho desta série é a quantidade de personagens fascinantes e o facto de podermos conhecer a cada episódio um pouco delas e da sua história. Mais do que a protagonista esta é uma série sobre mulheres e a sua condição e tudo o que as levou ali. É uma comédia a roçar o drama e não é tão exagerada como muitas vezes se dá a entender.

33. Newsroom T2

Esta segunda temporada saiu um pouco daquilo que se esperava e do esquema que nos apresentou na primeira. Desta vez tivemos um assunto que foi transversal a todos os episódios. A dinâmica que encantou no inicio para mim perdeu-se um bocado aqui até porque se colocou um assunto ficcional dentro da realidade da redacção e pelo menos do meu ponto de vista isso não foi a melhor opção. Além disso o que se esperava dos episódios sobre as últimas eleições americanas ficou algo a desejar. Outro dos pontos que o autor mudou foi transformar os homens em meninas histéricas, na anterior o exagero dos dramas femininos foi tal que Aaron Sorkin achou que fazer o mesmo à ala masculina iria resultar. Não resultou. Não se sabe quando a série irá regressar.

34. Suits T3

O problema com séries que têm como base um esquema ilegal é que sabemos sempre que os protagonistas se safam dê por onde der, até porque de outra forma a série teria de acabar. E aqui acontece exactamente  isso, já sabemos que um a um os personagens regulares vão descobrir que Mike é uma fraude como advogado, mas tal como até ao momento tudo é desculpável pela sua inteligência acima da média. Quanto à temporada em si optaram por um caso transversal mas que na realidade nem foi muito apelativo. Não sei até onde esta série poderá ir mas é evidente o seu desgaste e os dramas amorosos já não se aguentam.

35. Breaking Bad T5

E chegamos ao final desta saga que se tornou uma das mais faladas séries do ano. É interessante ver o percurso singular desta história que nasceu na AMC de forma muito discreta e que aos poucos se tornou série de culto. O atar de todas as pontas e o caminho que levou à cena final é magnífico e quase perfeito. Acho que qualquer fã de séries deve ver isto de inicio e captar todos os pormenores e todas as mudanças feitas nas diversas personagens. Um final digno da qualidade da série e que não desilude ninguém.

36. Hell on Wheels T3

A saga de Cullen Bohannon na construção da grande primeira  travessia  ferroviária continental dos EUA. Geralmente ouve-se falar pouco desta série por estar um pouco na sombra de outras séries da AMC mas é algo que recomendo pelo seu realismo e por contar uma história que pouco se conhece. É o inicio da grande expansão económica dos EUA no auge da revolução industrial após a união norte sul. Ainda com as marcas da escravatura e a invasão dos territórios indígenas  é também a história de homens e da sua fé em algo maior. A temporada que aparentava poder ser a última conduz as personagens a um quase final, num mundo onde a violência é a chave para tudo esta foi sem dúvida a melhor temporada fugindo da trama inicial que se focava numa vingança, aqui procura-se a redenção e ela vem sobre um manto negro. A série acabou renovada para uma última temporada que deixa algumas dúvidas quanto ao futuro.

37. It’s Always Sunny in Philadelphia T9

Agora no canal FXX a comédia mais abusada e sem regras que existe na tv americana. O grupo de amigos mais detestável de Filadélfia que faz tudo por dinheiro e que arranja os esquemas mais incríveis para provar um ponto de vista. Nesta temporada passamos por um elaborado esquema para transformar Dee numa estrela da comédia, o grupo tenta entrar num sistema de pirâmide e enganarem-se todos uns aos outros sem darem conta, o momento de quarentena imaginário e a produção de Arma Mortífera 6.  Há sempre o momento para reunir todos os desgraçados que sofreram nas suas mãos num fabuloso Thanksgiving. Para quem gosta de comédias negras e completamente louca esta é a série ideal.

38. Peaky Blinders T1

Da BBC chega-nos mais uma fantástica produção de época com um elenco de topo, Cillian Murphy e Sam Neil são os protagonistas da história de um grupo que domina a cidade de Birmingham após o final a primeira grande guerra. A história de um jovem chefe de um gang que dá nome à série e a chegada do novo chefe da polícia que quer terminar com o seu reino de terror. O que salta à vista na série é a maravilhosa cinematografia da cidade industrial e toda a sujidade e poluição das grandes fábricas de carvão. Entre a honra e a luta contra os que os querem destruir surgem traições e alianças num fantástico jogo em que ninguém poderia ganhar. A série foi renovada para segunda temporada.

39. Sleepy Hollow T1

A adaptação à tv do clássico intemporal do cavaleiro sem cabeça. Aqui a história usa elementos da história da fundação dos Estados Unidos com o sobrenatural e a actualidade. Tudo isto personificado em Ichabod Crane um soldado morto em batalha que regressa à vida 200 anos depois e tem no seu encalço um também renascido cavaleiro sem cabeça. O que esta série acaba por ter de bom é o tom sobrenatural e cómico das histórias que vão surgindo na cidade e isso contribui para que seja um bom entretenimento despretensioso e agradável. Os elementos de terror equilibram bem tudo o que vai acontecendo e a evolução das várias personagens. O seu rápido sucesso garantiu a renovação quase imediata de uma segunda temporada, embora só em janeiro sejam exibidos os episódios finais da primeira.

40. Downton Abbey T4

Depois da tragédia que finalizou a terceira temporada era de esperar que agora fosse o momento da história partir para outras aventuras e até quem sabe evoluir personagens mais apagados. Nem isso ficou muito evidente como se cometeu excessos óbvios de dramatismo que em séries de época eram escusados. Desde a violação de Anna, até à gravidez de Edith e a presença irritante de Lady Rose  e os seus affairs a série parece ter parado no tempo e apenas tentou usar assuntos para chocar. O episódio de natal poderia ter dado novos caminhos mas parece que não e a série estagnou.

Restam mais 10 séries para fechar esta saga de 2013. Voltamos já!

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s