Archive for the ‘Crónicas’ Category

orphan-black-feature

O verão é tendencialmente a época do ano que eu mais gosto em relação ás séries, ao contrário da fall season que é altamente cansativa para perceber o que é bom ou mau das quantidades industriais de séries que estreiam ou regressam. Nesta época ficamos mais à vontade há menos séries e é possível ir buscar o que ficou atrasado. Depois há a vantagem das temporadas serem mais curtas e a qualidade da maioria das séries não desilude.
Vou fazer uma breve ronda pelo que tenho visto nestes últimos tempos, não são necessariamente as séries que estrearam no verão mas sim as que eu tenho visto agora,  que serve também de sugestão para quem não sabe o que ver. Naturalmente a maioria das sugestões são do cabo como seria de esperar mas este ano os canais abertos até apostaram um pouco mais do que o habitual embora a qualidade comparativamente ao cabo seja de lamentar. A seguir ao salto.

(mais…)

Anúncios

2012

Este tem sido um ano complicado a vários níveis, seja pessoal ou mesmo em termos gerais, de facto as coisas mudam tão rapidamente que por vezes nem damos por elas, ou só nos apercebemos quando tudo acaba. Mas não vale a pena  lamentar a nossa sorte, melhores dias virão. O que me traz hoje aqui é uma pequena retrospectiva sobre o ano que passou. Com algumas estreias relativamente marcantes, séries que terminaram e um futuro pouco promissor.

Mas antes disso quero agradecer o facto de ter sido nomeados nos TCN Blog Awards por um dos textos publicados nesta crónica mensal. Não ganhei, nem esperava, mas ver algo que escrevi levar algum reconhecimento é sem dúvida um orgulho, e portanto tenho de agradecer sobretudo ao Guerra por me ter convidado para fazer parte deste projecto.

E agora vamos olhar para alguns momentos marcantes, sem grandes descrições mas que de alguma forma foram deixando as suas marcas nas várias séries do ano que agora está a terminar.

(mais…)

Já há algum tempo que vinham a faltar por aqui as séries inglesas, curiosamente até falei numa a crónica passada mas isso agora não interessa nada. Este mês vamos passar uma vista de olhos por três séries distintas do panorama inglês, começando pela terceira temporada de Downton Abbey e como a série se degradou ligeiramente, analisar a recente Hunted e facto de ser uma surpresa fora do habitual da BBC e ainda Bedlam que apesar de já ter sido exibida no verão passado só agora visualizei a segunda temporada.

(mais…)

O que seria de nós sem uma boa gargalhada diária? por vezes é difícil mesmo sorrir perante as adversidades da vida, perante o marasmo que nos circunda. Se não encontramos um sorriso em alguma coisa que nos rodeia estamos perdidos nas brumas da tristeza e da solidão. Então se falamos de tv encontramos cada frame do ecrã algo que nos deita abaixo ou nos faz duvidar de que algo vai mudar para melhor. Portanto hoje fala-se de comédias da tv, as que vamos seguindo e as que ninguém quer saber, porque há tantos estilos que algum nos haverá de agradar. Quando criei este blog não pretendia falar somente das séries americanas ou britânicas, mas de uma forma geral da ficção em tv e desta modo resolvi falar de comédias mas de algo mais que me tem divertido imenso nos últimos tempos.

(mais…)

Nomeado na categoria de Melhor Iniciativa. Clique na imagem para votar.

No início dos anos 90 quando os The X-files surgiram apanharam meio mundo de surpresa, uma série sobre dois agentes do FBI que investigavam casos estranhos que ninguém sabia explicar. Pegando nos nossos medos e cultos mais estranhos a série desmantelou ao longo de 9 temporadas as bizarrias mais curiosas. Mas até ali o conceito de agentes do FBI estava envolto em tramas políticas e nem eram propriamente o tipo de figuras mais agradáveis de ver na TV, normalmente até eram sinistras. E de facto a série abriu caminho a que este sector da segurança americana passasse a ser um dos elementos de foco principal em diversas outras séries. Se até certa altura eles eram personagens cinzentas e quase sem alma que procuravam bandidos, Mulder e Scully deram-lhe finalmente uma alma e o mundo passou a ver com outros olhos estes agentes.

(mais…)

E se eu vos falasse de Doctor Who? Provavelmente muita gente ouviu falar da série britânica com quase 50 anos, mas poucos a devem ver, pelo menos não é tão mediática nos amantes de séries como são algumas americanas, mas é muito apreciado no universo geek Sci Fi. Dei por mim no verão passado a pegar na série, achei que era o momento, já tinha visto uns episódios soltos e se calhar pela escolha achei aquilo demasiado estranho. Foi então no momento de coragem que resolvi começar a ver de inicio as 6 temporadas que já existiam, da versão moderna, porque existem muitas mais para trás. Até agora vi as três primeiras e fiquei completamente rendido ao universo de Doctor Who e uma série destas tem tanto por onde puxar que a única maneira de perceberem como a série me fascinou é viajarem comigo através das primeiras temporadas e da riqueza criativa desta série da BBC.

Esta é a história de um Timelord que viaja numa espécie de nave espacial em forma de uma antiga cabine da policia entre o passado, o presente e o futuro. O seu objectivo é ajudar a salvar a humanidade das imensas espécies alienígenas que povoam a galáxia. Mas para isso conta com a ajuda de uma companheira humana.

A TARDIS aguarda-vos nesta viagem temporal.

(mais…)

Com o início da fall season chegam também uma grande quantidade de séries, algumas rapidamente perdemos o interesse outras ganham espaço enquanto duram. Como o mundo das série não se limita só ao que estreia no momento mas também ao que vai vendo que ficou para trás vou também incluir alguns pontos sobre o que vou vendo fora da grelha habitual.

Segunda parte das estreias da fall season. Ainda com muitos pilotos para apresentar:

How i met your mother 8.01 – Farhampton

Um regresso que apesar de ainda não estar confirmada como última temporada acaba por abrir portas para isso mesmo. Podia te sido melhor, faltou a comédia e o Ted é chato. De resto o episódio nós sabemos que não leva a lado nenhum, fica a questão se aquele final é mesmo o final.

Nota: 7.6

(mais…)